ONCE

quinta-feira, 3 de março de 2011

O DESCANSO DO CAVALEIRO


O Cavaleiro vem chegando com sua armadura amassada, trazendo sua lança quebrada pela força do Gigante. Não há batalha sem que se perca, ou se ganhe. O Cavaleiro cansado senta em sua banqueta de madeira talhada, mas antes de retirar a couraça que lhe protegera o corpo, liga o rádio, nas ondas curtas onde tinha aquele assovio na sintonia, para escutar um pouco da música de sua época. E era música mesmo. Assim o Cavaleiro adormeceu. Sonhou: Dulcinéias, Rocinantes, novas batalhas com os Gigantes. Não tinha mais intenção de acordar. Talvez a armadura enferrujasse com o tempo. O Cavaleiro precisava descansar.

Um comentário:

Marcos Rodrigues disse...

Perfeito, aqueles mais sensíveis são como cavaleiros sonhadores, com suas armaduras a enferrujar a cada dia até o dia da paz final...